Patrocínio e Mídia!!!

Posted: quinta-feira, 18 de agosto de 2011 by Adriano in
9

Hoje falaremos de dois assuntos que têm muito a ver com a expedição que acabei de terminar.


A maioria de vocês, que acompanharam os preparativos da viagem, viram a minha dificuldade de fechar qualquer tipo de patrocínio ou apoio para a realização deste projeto.

Bem antes do início da mesma, elaborei um documento bem profissional, com algumas fotos, muita informação, meu curriculum motociclístico inclusive mencionando ser colunista mensal da Revista Moto Adventure e este foi enviado a dezenas (quase uma centena) de empresas importantes, grandes e famosas, através de um ótimo mailing de contatos, sendo que recebi um retorno de "talvéz" de apenas 2 delas, ou seja, apenas 2 em quase 100 empresas provavelmente gostariam de falar comigo sobre a expedição mas isso acabou não se confirmando até porque com a proximidade do início, eu já estava totalmente descrente com um resultado positivo e já havia decidido que iria mesmo com recursos próprios. É óbvio que se assinasse um contrato de patrocínio, tudo seria diferente, sem passeios com a namorada e obrigatoriamente rodando toda a ida e a volta, com a possibilidade de um documentário, bem mais profissional do que realmente foi minha viagem...  

As empresas ao lado são de pessoas queridas que de uma forma ou de outra me ajudam na vida, não com recursos financeiros e sim com apoio moral, fraternal, afetivo, espiritual e afins e a eles eu devo o meu agradecimento por isso fiz questão de colocá-los junto comigo no blog, na moto e na placa que fixei no Canadá a fim de me acompanharem por todo o trajeto e, não é que deu certo?

Hoje, ao acertar as contas com meu pai que ficou responsável pelo apoio nos bastidores, eu imaginava o quanto devia a ele mas mesmo assim tomei um susto pois a viagem custou pelo menos de 30 a 40% a mais do que o planejado, até porque, nesse "bolo" estão todas as passagens aéreas minhas e da Mayara, peças a mais para a moto, manutenções de emergência, notebook, GPS, presentinhos e afins...mas que assusta, assusta e vamos lá rapar o cofrinho e pagar os custos!!!

Pesquisando também antes da viagem, descobri que não existe apoio governamental para "patrocínio" privado como isenção de impostos, ou incentivos fiscais, por exemplo. O que existe são alguns tipos de apoios culturais mas para isso, deveria estar vinculado um documentário, livro ou algo do gênero e mesmo assim é coisa muito parcial, não cobrindo o orçamento completo...

Para ilustrar essa "característica" brasileira de falta de patrocínio em todos os setores, gostariam que tivessem acesso a essa matéria que envolve nomes de heróis nacionais, medalhistas olímpicos, muito pouco reconhecidos pelo empresariado nacional: http://axelgrael.blogspot.com/2011/08/torben-grael-e-marcelo-ferreira.html?spref=fb


Estive cá pensando o porque dessa falta de interesse em patrocinar pessoas e projetos interessantes e cheguei a uma conclusão de que isso acontece pois a mídia, imprensa entre outros responsáveis em nos informar, apenas enxergam nas desgraças e escândalos uma certeza de audiência, de exposição à massa ou de garantia de lucros e um bom exemplo disso seria a disputa pelo passe de José Luiz Datena, o âncora polêmico, entre Band e Record, onde o cidadão faz o que quer mesmo que esteja em contrato e ainda ganha uma fábula de salário.



Hoje, no jornal Nacional, saiu uma matéria sobre o Carro Elétrico que terminou a viagem por 15 países, e quando fui procurar no Google, apenas 2 sites, pouco importantes, nada como UOL ou TERRA que parece que preferem as fofocas de celebridades, o mencionavam, um deles ainda por ser do estado onde se encontra Itaipu : http://www2.oparana.com.br/cidades/noticias/1369/?noticia=carro-eletrico-conclui-expedicao-por-15-paises


Vejam na matéria, a curiosidade das maiores dificuldades que encontraram nesta expedição...nada com o carro, protótipo que estava em testes, e sim com as famosas e temidas aduanas Centro-Americanas...ainda bem que me livrei delas na volta pois não teria paciência para tal...

Aonde quero chegar com essa postagem de hoje nem eu sei mas eu precisava deixar aqui o meu desabafo para empresas que perderam a oportunidade de apoiar um projeto que teve uma média de 25.000 visualizações/mês divulgada de maneira totalmente amadora e um notável interesse em sites de relacionamentos importantes, além de muita repercussão na minha cidade, onde virei uma espécie de celebridade onde muita gente me encontra na rua, perguntando sobre a viagem, em detalhes, dizendo estar me acompanhando por todo o trajeto como uma novela, ansiosos pelas postagens, ou seja, um projeto como este, ATINGE sim as pessoas e dá retorno a marcas que apostam nele...

Depois de conhecer 12 países diferentes, vejo que a pessoa que definiu um dia o Brasil como Belíndia, estava totalmente correta já que temos um pouco de Bélgica e muito de Índia, ou parte Nicarágua, parte Canadá sendo o céu e o inferno em uma única nação. Temos área territorial, população trabalhadora, recursos naturais, entre outras para sermos uma potência mundial e meu sonho é um dia ser como são os 2 países Norte-Americanos mais importantes, mesmo que alguns os odeiem, mas tenho certeza que pra isso acontecer vai demorar muuuito e nós que cá estamos não veremos tais mudanças nessa nossa breve vida!!!

É isso, me estendi demais, com um papo não tão interessante quanto "estar na estrada" mas bom pra refletirmos sobre algumas características desse nosso querido pedaço de chão, tão mal governado e administrado...nos vemos!!!

9 comentários:

  1. Richie says:

    Adriano, Seu texto reflete e expõe a realidade Brasileira, de uma forma que todos pensm, mas poucos fazem algo a respeito.
    Como um piloto de Motocross amador, envolvido a mais de 15 anos neste esporte, e 23 anos de motociclismo, vejo esta situação ocorrer a toda hora. O Brasil, por exemplo, tem excelentes pilotos, com capacidade de ter sues nomes entre os grandes, porém, devido a falta de recursos, impostos excessivos, dificuldades com patrocinadores,etc, estes não conseguem chegar no nivel técnico exigido para um piloto mundial. Uma grande excessão é o Antonio Balbi, que corre o Ama Motocross e Supercross, normalmente com recusros próprios e algum patrocionio. Hoje, para se ter uma ideia, uma moto custa em torno de R32 mil reais. Nós temos tramitando no congresso um projeto para reduzir os impostos de importação para nossas motos o que baixaria o custo da moto para em torno de 12 a 13 mil reais. Um custo ainda muito elevado, porém um tanto quanto mais acessível. Mostra o descaso do governo com o esporte, onde não há sequer incventivos e fizermos uma conta rápida, qual o relflexo de ganho do governo com tantos impostos no espoerto, considerando que temos muito poucos pilotos de motocross, enduro etc. ? E isso podemos ver em vários outros esportes. Nos Estados Unidos, no Canada, e outros paises europeus, efetuar patrocinios em eventos esportivos gera um ganho não só de publicidade, mas um ganho real com isenções de impostos. Querendo ou não, esporte também é uma indústria, e necessita de seus ganhos. Com mais incentivos para as empresas do ramo, mais dinheiro no esporte, o pais como um todo sente o relfexo disto.
    No caso da sua viagem, entendo ela como uma forma de trazer e agregar novas culturas, experiencias, juntar povos diferentes e isso sempre traz benficios a todos. Seria de interesse de todos que tivessem mais viagens como a sua, e aumentar a exposição a pessoas que necessitam de maior acesso a cultura. Uma viagem como a sua, não só um grande sonho seu, mas também uma viagem importante a todos nós, nos mostra a realidade e dificuldade que enfrentamos todos os dias no nosso país, não só financeiramente, mas burocráticamente e o quanto hoje o nosso governo, e o governo dos paises da America Latina, nos restringe.
    Este seu texto hoje no Blog , é um presente a todos nós. Um serviço a sociedade. O seu blog como um todo, é de grande importancia, pois muitos de nós, seguidores seus,inclusive eu, não temos os recursos para um feito como seu, e de uma forma muito clara e direta, pudemos participar e viajar com você e com isto aprender muito. Seria de grande interesse a empresas e grandes corporações auxiliar nesta empreitada que vc organizou e fez.
    Quem sabe um dia eles não tenham o interesse e incentivos para auxiliar outros em suas empreitadas e trazer um pouco de cultura de outros paises para todos nós.

  1. MarceloBH says:

    Grande Nikimão Vandestappen.

    Vc está coberto de razão. Impressiona como uma fabricante de motos como a KTM, tentando se erguer nesse pais que hoje vende 2 milhões de moto/ano nem se lixa para a exposição de sua marca! Tambem, escolher quem ela escolheu para representá-la não é surpresa. Mas não vamos longe, o Renato Lopes e o Edson Steglish com as 2 BMW G 650GS tambem, creio, não tiveram nenhum mínimo apoio da BMW que será, tenho certeza, objeto de super exposição quando do lançamento do livro do Renato sobre a fantástica expedição.
    Assim, meu caro amigo, se as duas MAIS BENEFICIADAS marcas pela exposição na expedição nem se interessam em botar o nariz pra fora, que se dirá de outras empresas...

    Um forte abraço, aguardamos a Expedição Sibéria! :-)

  1. Paulo says:

    Adriano, bom dia. Não poderia deixar de comentar seu texto. ACho-o corretíssimo. Como o retorno do dinheiro é quase que certo, investir na desgraça de uma parte do povo e mostrar à outra parte essa desgraça ainda recheada de sensacionalismo é que enriquecem muitos.
    Mas fique você bem certo de que sua viagem açambarcou milhares de companheiros que mal esperavam chegar em casa depois do trabalho para participar com você dessa viagem. Muitos que nunca terão a chance de um dia seguir adiante, viajaram com seus relatos e com suas boas tiradas e você se tornou para o público uma figura muito simpática e hilária. E tenho certeza que não parará por aqui. Segue sua vida segue a nossa e você será mais do que reconhecido na vida pessoal e nos seus negócios. Como disse em post anterior: Seu Marketing está sendo genial e aos poucos suas despesas virarão receitas ao "quadrado".

  1. Esse questão tem a ver com a lei de mercado mesmo. Coisa totalmente Capitalista.
    Um amigo meu dono da Yamaha, na verdade um concessionario, fez uma viagem ao Peru em 8 motos, todas yamahas, usando a transpacifico, na verdade uma trilha apenas. Tentou ver se conseguia algo e a resposta foi um silencio enorme.

    Mas se após feita a viagem e a repercursão for astronomica, ai sim, alguns expertos, tentando tirar proveito, virão e ficarão encostados intencionando levar uma fatia na costas do algum bobo.

    Eu tambem tentei coisa pequena, na verdade era uma troca, eu daria muito mais que o valor de dois pneus, so que em serviço, mas o sujeito me tratou como se eu estivesse mendigando seus dois miseros pneus. Perguntei quanto era e paguei logo pra acabar a conversa rapidim. hihihihihihihi

    Hoje tenho Tv, Portal de Internet, uma revista, querem a materia. To pensando ainda se mais uma vez embarco nesse ou não. Faço minhas aventuras por prazer e desafio proprio, mas não por dinheiro.

    Mas é isso ai Adriano.

  1. eugenio says:

    Esses dias passou a entrevista do Emerson Fittipaldi e seu neto Pietro que esta correndo uma categoria de acesso da Nascar no canal Speed,e o emerson comentava que o neto dele so corria por causa do patrocínio,muito importante para um piloto hoje em dia!!Se não fosse por isso o neto dele não estaria competindo,ou seja esse apoio e fundamental pra um piloto competir..vejamos o caso da F1,os pilotos que tem patrocínio tem vaga garantida,mesmo não sendo um bom piloto,mas o que importa e o money que entra!!Me lembro dos anos 80,onde a industria de tabaco investia pesadamente em esportes a motor,tanto no motocross quanto em ralis,por que ninguém seguiu esse exemplo de continuar a apoiar??era so pegar o vácuo que foi deixado e dar continuidade nos projetos e eventos..
    Mas o bom da sua trip Adriano e que você não deve dar satisfação a ninguém,rodava quanto queria,não seguia roteiros pre determinados,não existia ninguém para mandar e te dizer o que fazer,o que escrever,você foi livre para fazer o que gosta com prazer!!!Rodar e rodar!!
    Parabéns Adriano!!!

  1. Barrett says:

    Adriano, ter feito a viagem com recursos próprios só valoriza mais a conquista... Sabemos das dificuldades que vc enfrentou, mesmo com dinheiro no bolso.
    Mas vc se capitaliza rapidinho e logo na estrada novamente...
    Espero que tenha sobrado algum pra comprar aquele famoso Fleboat! Falando nisso vou ver se te arranjo uns ingressos pro SP Boatshow, dois claro!
    Abraço!

  1. Rapaz, Adriano, parabéns mais uma vez por essa viagem incrível.
    Agora dá um jeito de atualizar esse blog pelo menos uma vez ao dia, porque muitas pessoas (eu por exemplo) já se habituou a visitar essa página, já que tu se tornou uma espécie de ídolo nosso!

    Então vê aí se tu coloca alguma coisa, nem que seja o que tu comeu, ou da saudade da kate, sei lá!

    Agraço!

  1. anima! says:

    Adriano, li tbem os comentários da galera e concordo: nesse país patrocínio é QI. Não existe outro nome. Incrível que todo mundo sabe, mas as coisas não mudam. Chegamos a tentar a lei Rouanet mas depois que falei com algumas pessoas (editores inclusive), descobri que ter seu projeto aprovado não significa ter seu projeto capitalizado. Ou seja, tu rála prá aprovarem sua iniciativa mas depois os patrocinadores não aparecem. Já para quem faz um livro sobre o Pelé, tem um p... patrocinio da Coca-Cola, sem a lei do incentivo fiscal. Vai entender?
    Uma pena pois tem um pessoal muito bom escrevendo por ai. Portanto acho que tá na hora da gente se juntar e tentar vender conteúdo. Não sei como, mas durante a nossa aventura vou pensar numa maneira de capitalizar isso, porque quem trabalha de graça é formiga, certo?
    Agora, eu falei com dois casais overlanders na Adventure Sport Fair e ambos conseguiram alguma coisa após a primeira aventura finalizada. Tu tem que mostrar do que é capaz. A tua primeira já foi. Quem sabe numa segunda?
    abx, Marina

  1. Caro Adriano, achei fantástica tua viagem.
    Gostei do teu texto. Penso que as opiniões devem divergir sempre. Mesmo que nós não gostemos, mas deve ficar sempre no campo das idéias. A tua colocação sobre o Datena foi muito boa. E por falar nele tu deves saber da possibilidade de ele disputar a prefeitura de São Paulo e com o aval do PSDB provavelmente.
    Grande abraço.
    Luís Averbeck.